Cão igual ao Pinpoo foi encontrado em Porto Alegre (RS)


12 de março de 2011

A aposentada Nair Flores, 64 anos, amanheceu convicta de que a peregrinação atrás do companheiro perdido havia chegado ao fim. Há dez dias, não consegue dormir com tranquilidade pela falta de notícias de Pinpoo. Tudo começou quando o cachorro de dez meses sumiu no Aeroporto Internacional Salgado Filho antes do embarque em um avião da empresa Gol. Na noite de sexta-feira, recebeu a informação de que alguém teria avistado o mascote em uma casa do bairro Navegantes, zona norte da Capital.

Pinpoo, de 10 meses, supostamente fugiu do embarque – Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

Desde então, Dona Nair não sossegou. Como quebrou a perna na terça-feira enquanto acompanhava as buscas ao cão nas proximidades do aeroporto, pediu para o tio Euclides Motta Paz, 81 anos, passar em frente à residência que teria abrigado o cão na manhã de sábado. Paz achou o bicho familiar, mas não tinha certeza de que se tratava de Pinpoo. A aposentada decidiu conferir pessoalmente. Antes mesmo de chegar ao local, já tinha certeza de ter encontrado seu filhote.

— Vem Pinpoo, vem com a mamãe — gritava Nair, ainda dentro do táxi, com a porta entreaberta.

O cachorro não mostrou entusiasmo com o encontro. Nair pouco se importou. Largou as muletas, se ajoelhou no chão e acariciava o cão — cópia fiel do desaparecido.

O pelo tom caramelo, o nariz marrom, os olhos cor de mel, as orelhas, o comprimento, a altura, o formato das patas. Tudo exatamente igual ao bicho procurado. Para Nair, só faltava um elemento: empolgação por parte do cão, que aceitava as carícias com indiferença.

O desejo de que a busca tivesse chegado ao fim impedia Nair de assimilar uma informação fundamental. Zoé Miranda, 62 anos, que abrigou o cachorro confundido com Pinpoo, repetia que “Peludo” havia sido acolhido há mais de três meses. O tio também tentava demover Nair:

— Eles são idênticos, eu também acho. Mas, se ele ronda a região há um tempão, não pode ser o Pinpoo.

Zoé deixou claro que sentiria muita saudade se o cachorro que ela cuidava há meses se fosse, mas entendia o sentimento de Nair.

— Se ela é a tutora, não posso impedir que leve o que é dela. Mas vou sentir muita falta, não posso negar. Cuido dele com todo amor. Aqui em casa os cachorros comem antes que os tutores — disse Zoé.

Por quase 40 minutos, um impasse foi travado no coração de Nair. Queria levar o cachorro com ela para ver se ele retomaria hábitos antigos. Chegou a supor que foi ressentimento o motivo para ter sido ignorada pelo cachorro.

— Não tem como não ser o Pinpoo. A única diferença é o pelo tosado, mas eles estão dizendo que cortaram mesmo. Tenho medo de ir embora e ser ele. Pode ser que esteja com estresse pós-traumático por tudo o que passou na rua e achando que eu o abandonei — lamentou Nair.

Cabisbaixa, a aposentada retomou o táxi em que chegou. Se convenceu de que, apesar do desejo, aquele não era Pinpoo.

— Temos outras pistas. Sei que vamos encontrá-lo. Espero que seja rápido. Dentro de mim sinto como se tivessem sequestrado o meu filho. Estou há muito tempo sem notícias.

Fonte: Zero Hora

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: